Sem categoria

Delphi Technologies explica como funcionam os sensores de oxigênio

1 Minutos postado

Com a função monitorar a quantidade de oxigênio que está contida no gás do tubo de exaustão do motor e repassar esta informação para a sua unidade eletrônica de gerenciamento, o sensor de oxigênio é uma das peças mais importantes para garantir o bom funcionamento do veículo. O componente possibilita o equilíbrio da mistura de ar e combustível para melhor desempenho do motor e menor emissão de poluentes, trazendo a relação ideal entre a quantidade de ar necessária para a queima correta do combustível. A Delphi Technologies, líder em gerenciamento de motores e fabricante da peça, explica cuidados com o componente e benefícios para o controle de emissões.

Um dos principais fatores que levam ao desgaste dos sensores de oxigênio é o uso de combustível de má qualidade. A peça em más condições pode custar caro ao motorista, uma vez que causa danos em outros componentes, como velas de ignição e catalisador. “É importante ficar atendo a sinais como acendimento da luz do sistema de injeção no painel, queda de rendimento, dificuldades na partida e falhas no motor, que podem indicar problemas no sensor de oxigênio. Com isso, o ideal é fazer a revisão periódica do componente uma vez por ano ou conforme orientação da montadora”, destaca Fernando Marcelino, técnico de Suporte ao Cliente da Delphi Technologies.

 

Controle de poluentes

O sensor de oxigênio também contribui para o controle da emissão de poluentes, pois serve para medir a concentração de oxigênio resultante da combustão, avisando o sistema de injeção eletrônica qual a quantidade ideal de combustível para o motor, resultando em um controle mais preciso do uso do combustível. Isso possibilita um melhor rendimento do motor, a redução do consumo de combustível e a consequente redução de poluentes emitidos.

“Os sensores de oxigênio são comumente montados no coletor de escapamento ou antes do catalisador. Em alguns veículos, há mais de um sensor de oxigênio, e esta peça adicional está localizada após o conversor catalítico, tendo a função de monitorar a emissão de gases poluentes”, finaliza Marcelino.

Posts relacionados
Sem categoria

Pequenos negócios iniciam adesão ao Pix

Sem categoria

IQA retoma treinamentos presenciais

Sem categoria

Ford usa “cães robôs” de quatro patas para escanear fábricas

Cadastre-se no Sindirepa - SP

e receba novidades do setor