Notícias e eventos

BorgWarner comemora a produção de 5 milhões de turbocompressores no Brasil

  • A fábrica em Itatiba, no estado de São Paulo, atinge um importante marco de produção com o objetivo de melhorar ainda mais o desempenho e a eficiência do motor
  • Produção local de turbocompressores para motores flex complementa a linha de produtos

A BorgWarner ultrapassou recentemente um marco importante de produção em sua fábrica em Itatiba, produzindo mais de 5 milhões de turbocompressores no Brasil. A conquista histórica destaca o compromisso da empresa em desenvolver e produzir soluções tecnológicas limpas e eficientes para veículos a combustão, híbridos e elétricos.

“A BorgWarner orgulha-se de produzir suas tecnologias avançadas no Brasil. Este marco demonstra a importância de nossas linhas de produção no país, que possuem tecnologia de ponta e extensa experiência em engenharia”, disse Robin Kendrick, presidente e gerente-geral da BorgWarner Turbo Systems. “Nossos turbocompressores foram projetados para ajudar os fabricantes de automóveis a atender aos requisitos de economia de combustível, desempenho e eficiência. As instalações brasileiras da BorgWarner também oferecem aos nossos clientes experiência global com produção local.”

A produção local da BorgWarner atende às principais montadoras e aos mercados de reposição, interno e de exportação. Os 5 milhões de turbocompressores produzidos pela fábrica cobrem todos os mercados atendidos pela BorgWarner no Brasil e na América do Sul.

O marco foi alcançado com a produção do turbocompressor B01 da BorgWarner, o primeiro turbocompressor para veículos flex com motores de 3 cilindros fabricados no Brasil. O design compacto do produto possui uma roda de compressor totalmente feita de alumínio, sistema de rolamento otimizado e uma válvula wastegate controlada por um atuador elétrico, melhorando a redução de ruído, vibração e aspereza (NVH). O turbocompressor B01 da BorgWarner emprega materiais avançados para resistir a temperaturas de escape de até 1.050 graus Celsius.

 

História no Brasil

Em 1975, cerca de 25 funcionários produziam turbocompressores para caminhões comerciais em Campinas, no estado de São Paulo. A fábrica juntou-se à BorgWarner em 1999 e, na medida em que as linhas de produção e os produtos melhoravam, a BorgWarner expandia sua instalação original com a construção de um novo complexo localizado em Itatiba, a 80 km da cidade de São Paulo, em 2013. As instalações de 21.000 metros quadrados possuem certificação de construção verde (LEED) − a primeira fábrica de autopeças com esta certificação no Brasil − e um centro de engenharia e desenvolvimento.

Ano de conquista

A BorgWarner celebra o recorde de produção de motores de partida, que neste ano somou 10 milhões de unidades produzidas em Brusque (SC). A fábrica, que em agosto de 2018 celebrou 20 anos de história, é a base de operações da divisão PowerDrive System na América do Sul, responsável pelo desenvolvimento dos sistemas de propulsão automotivos elétricos e híbridos, além de motores de partida e alternadores para motores à combustão. Outras conquistas obtidas em 2018 são os 3 milhões de embreagens produzidas em Itatiba (SP) e os 150 milhões de válvulas termostáticas feitas em Piracicaba (SP). Vale destacar que os produtos da BorgWarner atendem as principais montadoras do mercado nacional, bem como o mercado de reposição sul-americano.< /span>

Sobre a BorgWarner

A BorgWarner Inc. (NYSE: BWA) é líder mundial em soluções de tecnologia limpas e eficientes para veículos de combustão, híbridos e elétricos. Com instalações industriais e técnicas em 66 locais em 18 países, a empresa emprega aproximadamente 29.000 pessoas em todo o mundo. Para mais informações, visite borgwarner.com.

Com linhas de produção altamente eficientes, a fábrica da BorgWarner em Itatiba atingiu recentemente um importante marco de produção, com mais de 5 milhões de turbocompressores produzidos no Brasil.
As declarações contidas neste comunicado de imprensa podem conter projeções futuras, conforme contemplado na Lei de Reforma do Contencioso de Valores Privados de 1995, que se baseiam nas perspectivas, expectativas, estimativas e projeções atuais da administração. Palavras tais como “antecipa”, “acredita”, “continua”, “poderia”, “projetado”, “efeito”, “estima”, “avalia”, “espera”, “prevê”, “objetivo”, “Iniciativa”, “pretende”, “perspectiva”, “planeja”, “potencial”, “projeto”, “busca”, “pretende”, “deve”, “alvo”, “quando”, “teria”, e variações de tais palavras e expressões similares destinam-s e a identificar tais projeções futuras. As projeções futuras estão sujeitas a riscos e incertezas, muitas das quais são difíceis de prever e geralmente estão além do nosso controle, o que poderia fazer com que os resultados reais diferissem materialmente daqueles expressos, projetados ou implícitos nas ou mediante as projeções futuras. Tais riscos e incertezas incluem: flutuações na produção de veículos nacionais ou estrangeiros, o uso continuado por fabricantes de equipamentos originais de fornecedores externos, flutuações na demanda por veículos que contêm nossos produtos, mudanças nas condições econômicas gerais, bem como outros riscos observados nos relatórios que arquivamos com a Comissão de Valores Mobiliários, incluindo os Fatores de Risco identificados em nosso Relatório Anual no Formulário 10-K mais recente arquivado. Não assumimos qualquer obrigação de atualizar ou anunciar publicamente quaisquer atualizações ou revisões para qualquer uma das projeções futuras

Post anteriores

NGK recebe prêmio Os Melhores AutoData

Próximo post

ARTIGO – O pulo do gato que falta à reparação automotiva