Notícias e eventos

Veículos autônomos têm pelo menos 50 pontos de ciberataque, afirma Indra

Companhia trabalha no desenvolvimento de soluções para proteger novos veículos contra o crime virtual e proporcionar uma experiência satisfatória a empresas e usuários

A discussão sobre o avanço dos veículos autônomos ganha cada vez mais espaço no cenário mundial. Recentemente, a Alphabet informou que pretende iniciar até janeiro um serviço de transporte comercial com carros sem motorista nos EUA, a Ford e Walmart firmaram parceria para testar esse tipo de veículo e a Audi apresentou no Salão do Automóvel alguns modelos de carros autônomos.

Diante de um campo tão vasto a ser explorado, uma nova questão surge: dado que esses veículos funcionarão de maneira cada vez mais conectada, como protegê-los contra ciberataques? De acordo com a Indra, empresa global de consultoria e tecnologia, a conectividade, o hardware e o software que capacitam os veículos conectados têm consequências diretas na estrutura interna dos veículos e na infraestrutura, com mais de 50 possíveis pontos de ataque.

Com o objetivo de ajudar companhias a protegerem seus veículos nesse novo ambiente, a companhia já está desenvolvendo novas soluções, que abrangem o escopo de carros, ônibus e trens conectados. As soluções são baseadas em cloud computing e processamento inteligente distribuído, levando em conta as melhores práticas de segurança globais.

Um projeto que já está em andamento é a plataforma na nuvem que permitirá enviar de forma segura aos veículos informação em tempo real sobre limites de velocidade ou outros sinais, recomendações e alertas, incluindo informação de outros meios de transporte, como trens e ônibus.

“Esta interoperabilidade é especialmente importante nas cidades onde existe uma grande quantidade de meios de transporte diferentes com a capacidade de proporcionar informação útil. Um dos principais desafios é integrar os veículos convencionais, veículos conectados, carros autônomos e os demais meios de transporte para melhorar a mobilidade urbana e a segurança dos deslocamentos”, afirma a companhia.

Os novos projetos estão sendo desenvolvidos dentro das iniciativas europeias SECREDAS e SCOTT, que contam com apoio da União Europeia para desenvolver o mercado de carros autônomos. Com os avanços que está desenvolvendo em ambos os projetos, a Indra reforça sua posição de liderança em smart mobility e no mercado de serviços para o veículo autônomo e/ou conectado.

Além dessas iniciativas, a Indra também colabora na iniciativa AUTOCITS, que testa a direção autônoma em estradas de Madri, Lisboa e Paris. Atualmente, já circula em testes pela pista um carro autônomo do projeto, em velocidades superiores aos 80 km/h. Isso foi possível graças a uma rede de equipamentos com diferentes tecnologias, que facilitam a comunicação entre o carro autônomo e o centro de controle de tráfego.

Sobre a Indra

A Indra é uma das principais companhias globais de tecnologia e consultoria e o sócio tecnológico para as operações-chave dos negócios de seus clientes em todo o mundo. É um fornecedor líder mundial de soluções próprias em segmentos específicos dos mercados de transporte e defesa, e a empresa líder em consultoria de transformação digital e tecnologias da informação na Espanha e América Latina por meio da sua filial Minsait. Seu modelo de negócio está baseado em uma oferta integral de produtos próprios, com um foco end-to-end, de alto valor e com um elevado componente de inovação. No Exercício de 2017, a Indra teve entradas de 3,11 bilhões de euros, 40.000 funcionários, presença local em 46 países e operações comerciais em mais de 140 países.

Post anteriores

É fundamental usar ferramentas adequadas para não danificar juntas homocinéticas na hora da instalação

Próximo post

Veículos com placa final 0 devem ser licenciados em dezembro, alerta Detran.SP